sexta-feira, 26 de março de 2010

tudo ainda importa

Num entreveio de silêncios e portas
percebo que a doçura finda
e é absolutamente desnecessário o empenho
portanto, voluntariamente, renuncio.

O temor do passo primeiro se traduz em omissão
e o empenho que talhou novo sonho, esmorece.

Triste, talvez!

Mais uma conta surge no rosário dos dias ...

Pelas boas e indeléveis doses de canção e ternura,
preservo o que colorira os dias

Entretanto, soará um desrespeito ao meu peito
calar este pesar

Na espera de que as minhas retinas estejam guardando o desnecessário

prossigo e anseio um verbo que atenue ...

Meu sorriso pede novidade !

domingo, 7 de março de 2010

infinitivamente pessoal

Nada faltaria se não desejasse qualquer objeto,
inanimado ou não!

Os quereres nos poem em contundentes sinucas-de-bico
por sempre me lanço a eles, impetuosamente ingênuo

Os resultados, a depender da hora em que é colhida a impressão, são sempre exitosos

E assim, pontuam a caminhada

Seja nos sonhos de uma vida maior
um carinho anseado
um corpo desejado
uma história definitiva
um novo computador

tudo é querer, tudo importa, tudo tem pressa!

Paciência homem !