terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Ao que virá ... pelo que foi !

Doismilidez !

Assim - bem juntinho - que me cabe escrever o ano que se despede.

Falar de um ano que passou revelaria saudosismo se estivesse encarcerado apenas na lembrança dos fatos.

No entanto, observando cada um deste meio milhão de minutos
os olhos marejam e uma única coisa cabe dizer :

- Muito Obrigado !

Sinto que a partilha de momentos únicos com cada um de vocês reforçaram a minha crença de que é nesta singeleza onde vida acontece ...

Talvez me tenha faltado um tanto de compreensão, paciência, cordialidade e a presença física

Talvez eu tenha exagerado no cuidado, na distância, no afeto, no tom da voz ...

Aos que por (des)ventura inconsciente feri, estendo humanamente a minha mão e vos peço desculpas ...

Mas apesar de todos os contratempos , imodestamente acredito que se pudesse
refazer cada um dos segundos deste ano , certamente todos vocês fariam parte disso !

Ao ano que virá, desejo que cada um de vocês tenha aquilo que os vossos corações mais anseiam ... e que não vos faltem saúde, esperança e fé !

Que façamos o ano novo desde o raiar do sol do primeiro de janeiro, ao crepúsculo do trinta e um de dezembro ...

Vamos tentar fazer brotar do nosso peito,
no nosso passo,
com todo o nosso sorriso
algo mais que um ano novo ...
forjemos com este entusiasmo todos os dias, horas, minutos novinhos em folha ... a todo o tempo !

Fiquem com o meu abraço , e a renovação de meus votos de amizade e devoção a todos vocês !

Que Deus nos abençoe !

Feliz Ano Novo !

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

de toda a graça - a copiosa reconhecida

de mais
no lugar
posições

nada de mais,
tu sabes!
tens o tempo,
o passo,
e a luz

na hora mais quieta
acenas
nas cenas
tua luz

seu lugar
tua marca
toda graça

é mais
sem mais
é sem

por dez, por todos ... mais de mil !

sábado, 20 de novembro de 2010

do bem fazer

Sorrindo, já forjas avenidas
caminhos largos
encurtando opostos
revelando similitudes

Abraçado em ti,
tatuado nas claras tramas - tuas cobertas
renovo o pensar;
e serenamente,
ensaio o habitual temor
que fenecerá ao próximo toque

Em tua mesa:
me caem sabores,
palavras,
firmeza
olhares

E do bem fazer nós vamos:
cantando
caminhado
emendando as horas
refazendo

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

pra lá dos cento e noventa

decido por notar
lembrar a data
e assim reverenciar

daí se passam tempos
emoções se revezam
novos aromas entorpecem nossos dias

dali nunca mais seremos os mesmos
os sabores não terão mesmo sentido
os olhares virão noutros brilhos

surpreso
arrebatado
ansioso
vencido
livre

dali o peito pulsou noutro ritmo
na cadência definitiva
na escala do afeto

sábado, 6 de novembro de 2010

Da Maior Importância

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Sobre o cabresto ...

Hoje no Brasil há de se ponderar sobre o "voto de cabresto" . No conceito original, ele ainda persiste nos rincões dos quatro cantos da Nação e migrou para os grandes centros urbanos , materializado nas figuras dos coronéis do asfalto e nos púlpitos das denominações religiosas hegemônicas.

Todavia, há um equívoco em carimbar de acabrestados aqueles votos de apoio à continuidade de projetos exitosos às vistas da população, seja de que lado for ! 

Essas escolhas passam por variáveis imensamente factíveis, que se resume à convergência de: 1) a preguiça à criticidade, a qual cria uma atmosfera de super-valorização de realizações eminentemente obrigatórias da gestão pública; 2) o fator "ovo da galinha" - a propagação estratégica desses feitos via ferramentas de comunicação amplamente consagradas ; 3) a consolidação de novos paradigmas na gestão pública, que incorporaram ao cotidiano burocrático habitual dos governos um instrumental voltado à apresentação de resultados objetivos em intervalos de tempo pré-determinados.

Desta feita, somos testemunhas oculares de um processo de reestruturação prática da governança na máquina pública que recebe o aval da população, refletido nos governos reeleitos e a notada sinalização majoritária de apoio à candidatura oficial ao Palácio do Planalto.

Não obstante, há de se pontuar as habituais distorções na operacionalização cotidiana de tudo isso, uma vez que por mais arrojados pareçam esses novos modelos, o "ranço" dos despudores consagrados na ação política, comprometem o êxito e maculam a avaliação positiva das inovações.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

letras-fora

preferiria que não houvesse a palavra
pouparia papel, retina , língua
o verbo sairia da ordem do dia

a desfaçatez não seria representada
os fingimentos, sublimados

a poesia teria a real forma
um cheiro de gente
ineditamente humana - real !
talhada no sorriso,
             abraço,
             e certeza

os sonetos perderiam o talco
nasceriam dos toques, dos olhares
e das lágrimas

ensaios aboliriam as gomas
desceriam dos púlpitos
e far-se-iam de ternura e compaixão

e dessa primitice,
nova era seria de absoluta humaninande,
em nada primitivo

dignos aqueles que de imensa alma
prescindirão das palavras

será assim ... a nossa prometida terra
a novidade,
a definitiva redenção,
o tempo do gesto !

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

horacheia

É tudo junto, misturado . 
minutos que se confundem e põem tudo à prova 
                                       e, definitivamante, nada será como antes  

permaneço
avanço por força do tempo


hesito sem temer a renúncia
e ainda que tente, canto!


e é nele, 
no sorriso, ao mais frio dos acordes,
que a caminhada encontrará prumo e ritmo


tegiverso, insisto, me jogo ...


talvez nesse ritual desperte, inconsientemente,
a cruel ansiedade,
nobre inquilina de meus afetos 


desse modo, mesmo que eufórico
estancarei a excêntrica reação
abrindo portas 
mais portas
derramando e revelando


os carinhos
a disponibilidade
todo o ímpeto
a verdade!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

assim assim

amanhece claro, e é dia de praia
eu vou, e bem te queria por perto

se a cerveja gela, entorpece e diverte
é teu sorriso que queria por perto

um novo amor desponta e me embala
é pra você que a história vem primeiro

quando o peito aquecido encontra o seu lugar
é de você que ele lembra

o bicho pega, e, de guarda baixa, me sinto só
é na tua voz que encontro alento

tudo de bom
tudo do bem
tudo que sorri
tudo que chora

sem exageros, é aí que me encontro
tão humano como eu
tão frágil
tão firme
tão forte

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

tresporquatro

de pé
braço aberto
firme
o coração
amolecido
pulsa
não para!

intenso
avanço
dolorido
errático
cansado
sorrio

mais alto
mais forte
mais perto

apaixonado
acolhido
pelos de sangue e d'alma
puros
pra vida!

domingo, 8 de agosto de 2010

domingo, 1 de agosto de 2010

astraldescrito

luz
é o que sinceramente te edifica
nada mais
e nessa tamanha força
tudo que em opaco estava
se aviva
e eternece

disso
não importarão os "quens"
os pares
os afetos

da tua clareza e calor
renovam lavouras
secam charcos
douram peles
aquecem e revelam

                                                                                          "paralisa o momento em que tudo começa
                                                                                            a tua presença (...) "
              
                                                                                                                                   Caetano Veloso

quinta-feira, 15 de julho de 2010

imediata

acreditar
talvez isso mova a humanidade

é, o apego a qualquer objeto
o que seja revertido n'algo
o que pra essa gente é chamado de crença

nela, residirão as alternativas
os humores
as possibilidades

talvez menos contidas
mais desesperadas
sempre reais!

observando, sem a solenidade dos analistas
me entrego à genialidade do humanos
e nela me envolvo à sua credulidade
compartilho e a acirro
pretenciosamente

disposto, valorizo o agora
por tudo que ele traduz
bem menos pelo que posiibilita

adianto,
receio a recusa
traduzo nos versos o humor
almejo arte

e por ela, acredito no meu verbo!

quarta-feira, 14 de julho de 2010

partidotempo

eu peço passagem pra seguir
encontrar o que adiei
me embrenhar por onde temi
refazer o que soneguei

não mandarei notícias
nem lembrem que parti
toquem tudo adiante

por lá cuidarei das chagas
cultivar-las-ei, se couber
mas eu bem sei que é inútil mantê-as

e, de caminho são, levantarei
 cantando,
 voltando !

domingo, 11 de julho de 2010

regresso

o corpo já pesa, exausto
o sono me joga pra o verbo
e instigado, forjo um verso qualquer

o olho que varou a madrugada
não viu teu rosto
e lamentou
só não conseguiu chorar
o contentamento pelo esperar
desfazia o ensaio de melancolia

refeito, me jogarei na rede
colocarei a janela entreaberta
e de certo levantarei com o melhor sorriso

e esse é por te lembrar!

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Superlativo


Logo mais o dia de Oxalá despontará nos céus do Brasil

E eu, na mais brasileira devoção, vestirei branco
Na minha, ainda,  limitada ciência dessa fé
me devotarei ao dono dos versos que forjaram
o espírito da minha juventude, e por certo, o de toda a vida

Farei a minha celebração mui particular pela ascenção do Poetinha aos céus

Acordarei,
abrirei as janelas,
tentarei ver e ouvir de perto o mar,
e partirei para as encruzilhadas da vida
levando este coração imprescindivelmente apaixonado

Daí, com toda a graça,
levarei os pesares do dia com serenidade
para que assim que a jornada for cumprida,
oferecer ao meu corpo o delírio etílico que o Poeta merece

Saravá !

Carta ao Tom 74
(Vinícius e Toquinho)



O Haver
Vinícius

segunda-feira, 5 de julho de 2010

retalhadamente

Múltiplo
Assim que me vejo,
com todas as falhas e
agruras cotidianas ... Múltiplo!

Miliduas facetas por segundo
jogado na alucinante espiral dos dias, Múltiplo

Sem aguardar concessões
transito por entre as minhas formas
conservando-as em um estado de disposta impertinência
orbito entre algoz e vítima sem qualquer pudor
cada vez mais errante e, por isso, mais humano

Sentimental, excessivo e expansivo
livre o suficiente pra avançar e retroceder
dado o balanço da maré

Não anseeis me decifrar, é inútil !

Saber de mim ?
Fita o meu agir,
Aprecia o meu excesso
Entorpeça com minha infinda paixão,
não perca tempo!

Segure na minha mão
e me ensine qualquer canção
me deixe expressar

Assim, sem véus e máscaras
me verás e serei o q vês
Cale e me deixe ...

sorrir 
até chorar
bradar
afagar
sentir
gozar

E sem esperar, 
tu verás minhas cores
juntas
desenhando o real
lambendo as tuas retinas
afagando-as

saberás que sou mais um aprendiz
tentado a fazer algo de valor,
que justifique o pulsar da vida
e que ao apego da fé
se atreve à felicidade
e consegue !

sábado, 3 de julho de 2010

vidasabor

o dia é marcado pelo que afeta
por aquilo que marca o pensar,
pontua a canção
e põe gosto na língua.

certo d'outro sabor
mais leve
sinto as horas derreterem
e no calor da minha boca
adoçarem o meu penar

de olhos bem abertos,
ainda um tanto salgados
mas de beiços armados, sorrindo
piso a morna terra do meu lugar

nada será como imaginei
mas ainda assim, eu sei que será

estou vivo, e assim permaneço

viver sem pretensão é morte !

o terceiro

aquele ritual era dispensável
nada ousaria interferir
e, sorrateiro invade os domínios de Teresa
habilmente a deflora
e se derramaria junto a ela por todas as outras noites

calado, quase nunca esboçava um ar sóbrio
seja pelo uísuque ou pela lavanda de teresa
envergava a aparência entorpecida

de nada precisaria, já se tinham
e isso o bastava

dali nunca saíram 
dias a fio se descobriam
e se entregavam

ousaram arder a vida juntos

até o fim

terça-feira, 29 de junho de 2010

upgrade

Por aqui novos ares ...
mudar a forma é o primeiro passo
garanto o estímulo pra o renovo d'alma

que esses azuis guarneçam nossos passos

nos acolham e provoquem ...

Adiante !

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Onda Solta

É tão vazio especular sobre o que virá
apenas sinto o cheiro de um novo tempo
e percebo os tremores na terra em que piso 
pois nela calçarei o renovo

Nada quedará destruído,
tudo, senão muito, florescerá
consolidado

Chegou meu tempo de renunciar o prazer
e, reconhecendo tal ação,
persistir na labuta
esfriando o afã do desfrute

decido pelo caminho trilhando-o

e silenciosamente temeroso
me entusiasmo e sorrio
hoje, mais do que nunca, sou onda solta !



       "Eles pensam que a maré vai mas nunca volta. Até agora eles estavam comandando o meu destino e eu fui, fui, fui, fui recuando, recolhendo fúrias. Hoje eu sou onda solta e tão forte quanto eles me imaginam fraca. Quando eles virem invertida a correnteza, quero saber se eles resistem à surpresa, quero ver como eles reagem à ressaca. [...]"


                                                           Paulo Pontes / Chico Buarque


                                                                                         

sexta-feira, 25 de junho de 2010

multirretrato

tudo me soará familiar
sem qualquer dimensão fixa
libertas
abertas
voluntariamente inacabadas
crédulas
timidamente vigorosas

assim vou parindo as palvaras
e essas me saem de pretensão marcada

nenhum verso a esmo
nunca um afeto à toa
o coração sempre me pulsará
e corajosamente insistirei
pelo querer
qualquer um
lícito ou não !

e ainda assim,
talvez ardendo
sangrando
renunciarei à derrota
e, de pé, recuarei

forjar-me-ei necessário !

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Viva São João !!!!

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Uma Graça de semana pra minha gente !



"se inteire da coisa sem haver engano (...)"
                                            Luiz Melodia

domingo, 6 de junho de 2010

carcaça

Caberia a minha vontade
apenas ela conduz a certeza
a de romper com o que ousaria raciocinar

o instinto me provocara a assumir qualquer dor
e ainda assim, fragilizo
e por desejar nova vida dentro em mim
me dispo e mergulho no meu desejo

ali, encharcados pela treva do mar
criamos, eu e o rebento,  nova era

desvelo o que anseio
sinto minha frágil carcaça se moldar

consegui ...

segunda-feira, 31 de maio de 2010

a lonjura me permite te abraçar assim ...

Saindo de dentro de si, ama-se
e por amar, rasgam-se as conveniências,
as desnecessidades,
e os imprevistos

Movidos por contentamento imenso,
solitude devastadora
ou até mesmo pela simples glória da vida,
abrimos os braços

E o peito ordena que encontremos
outro par que envolva nossa carne
e com devoção, sinceramente humana ...

Abraçamos !

quarta-feira, 26 de maio de 2010

frutífero

A minha aparência cala o meu vigor
pela minha indefesa, flagrante,
preparo no meu ventre à nova carne
e de seus enjoos, desejos e trevas
vejo uma nova forma de mim derivar

Passado o teu tempo,
recebo os teus frutos, e,
misturados na minha pele
fecundo e eternizo meus códigos

O gole derradeiro apresenta a minha natureza
A vã robusteza não intimidará o que vem por aí

Tornar-me-ei fértil!

domingo, 23 de maio de 2010

por que é ?!

é ...

pelo que se caminha
pelas pedras que nos alertam
pelos dias em que se chove
pela fé

pela certeza do que faz sorrir
pela possibilidade de retornar
pela intenção do re-começo

pelo mel derramado da tua boca
pela calma infinda
pelo acolhimento silencioso

pela festa que dentro em mim explode


é por isso ...

quarta-feira, 19 de maio de 2010

a um passo

a um passo da virada

assim o dia se embala
brados
silêncios
sorrisos

e a vontade de te ver não passa
sonego um torpedo
mais outro
e outro
e outro

aqueito a vontade
sigo as horas
e assisto as aulas

segunda-feira, 17 de maio de 2010

controle

tudo bem colocado
nada se acrescenta por enquanto
pedidos não cabem

um broto de saudade desponta
e alerta o encanto encontrado

clareadas algumas dúvidas
a ordem: - volutariamente sorrir

é preciso cuidar dessa alegria
estancar toda a euforia
e renovar a atenção !

quarta-feira, 21 de abril de 2010

uma prece

vendo a dor
seja minha
seja tua
não me agrado

só te faço uma boa prece
e peço silenciosamente
que fiques bem

durma e suporte
o que é
e o que virá !

domingo, 18 de abril de 2010

Conversa de domingo

Não reajo conforme o que esperas
e assim me permito a ficar resignado
todavia, reitero ...
não queria calar!

Mas ainda assim, insisto
e é este o preço ...

É uma recaída ...
Tem por cá terra a ser cultivada
No entanto,
Não desespero pela chuva excessiva
pela perda das sementes ...
respiro fundo e sorrio!

Acredita em mim, e não me leva a mal!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

pela ordem, ou não!

I - Sim, eu insisti, mal-pensei e sofri!

II- Sim, me retratei, pedi perdão e segui!

III- Não, hesitei, não resisti e falhei!

IV- É , calei, te esqueci e dormi!

domingo, 11 de abril de 2010

teclascruzadas

Os cabos anseados
não ofereceram a pronta satisfação

E por não fazê-lo
me provoca
e revela claramente
pra onde ir

Na realidade,
não serão cabos, telas e teclas
que garantirão o contentamento esperado

Ele só surgirá quando
fechados os olhos
e de pensamento completamente despido
puder sentir o frescor do agora - a energia da certeza da vida

sexta-feira, 26 de março de 2010

tudo ainda importa

Num entreveio de silêncios e portas
percebo que a doçura finda
e é absolutamente desnecessário o empenho
portanto, voluntariamente, renuncio.

O temor do passo primeiro se traduz em omissão
e o empenho que talhou novo sonho, esmorece.

Triste, talvez!

Mais uma conta surge no rosário dos dias ...

Pelas boas e indeléveis doses de canção e ternura,
preservo o que colorira os dias

Entretanto, soará um desrespeito ao meu peito
calar este pesar

Na espera de que as minhas retinas estejam guardando o desnecessário

prossigo e anseio um verbo que atenue ...

Meu sorriso pede novidade !

domingo, 7 de março de 2010

infinitivamente pessoal

Nada faltaria se não desejasse qualquer objeto,
inanimado ou não!

Os quereres nos poem em contundentes sinucas-de-bico
por sempre me lanço a eles, impetuosamente ingênuo

Os resultados, a depender da hora em que é colhida a impressão, são sempre exitosos

E assim, pontuam a caminhada

Seja nos sonhos de uma vida maior
um carinho anseado
um corpo desejado
uma história definitiva
um novo computador

tudo é querer, tudo importa, tudo tem pressa!

Paciência homem !

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

dos novos azuis !

o provável sim ferve comigo
a possibilidade enche o peito de ar
o sorriso se espalha pelos cômodos
o volume da preferida canção aumenta
e eu ... prossigo!

anseando sem temer,
desenho nova trama,
e azuis pretenciosos entram em cena
riscam, colorem e entorpecem ...

dos dias dali seguidos
o calor prevalece
o desejo cuida de brotar
e a certeza abre portas pra cautela

calma ... estamos caminhando !

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

imensa doçura

teu olho se avermelha
e o sumo do afeto
convertido nas tuas lágrimas
revelam imensa doçura

cada palavra, gesto e toque
envolvem e fortalecem os passos

sem temer pelo que virá, sorrio
e aquieto o peito para prosseguir

as estampas d'antes gritam
essas precisam abrir alas para claras tramas

agradeço e me aqueço nos teus dias!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

para quedas

Caíram o acento e o hífem !

E da queda veio o trauma ...

doce trauma!

Os cuidados, todos !

Prescritas: cautela, ternura e verdade

Daí resta-nos acompanhar a evolução

esta avança parcimoniosamente

por fim,
percebo que tão inusitado quanto o encontro,
é a sua necessidade
talvez seja por isso que tenha acontecido
o encanto flagrante me ampara previamente

me questiono sobre uma provável sequela

noto que os efeitos me parecem irreversíveis!

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

filtrando

Queria te fazer uma postagem
dessas bem tolas
com um pedido de desculpas,
com qualquer coisa que atenue a minha inconstância,
que justifique a atitude,
que reforce a amizade

E por tentar filtrar demais
perco de notar o essencial
invisível, naturalmente.

Percebo quão estreitas são minhas vistas
e por insistir, o estreitamento avança

Entretanto, insisto em estender as mãos
e tocar o surreal sem receá-lo

Não me é plenamente agradável, confesso!

Mas de que adiantará a minha satisfação apenas
se eu não puder me comover e me "deleitar"
com as conquistas desfiadas por ti ...

Agora, abri meus braços para te apertar num abraço
e dizer pela enésima e não última vez : Conta comigo!