quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

doismiliDEZ - prólogo

Sempre é hora de refazer o caminho

não dependerá do fim do ano
nem dos aniversários
tampoco d'alguma catástrofe
que gere uníssona comoção

e é tão clichê tudo isso
é tão convencional refazer o caminho ...

Humanamente redesenhamos a vida !

e por onde começar?

qual a atitude que lança o pé ao passo primeiro?

o que nos falta?

pois se nas horas de peito apertado,
gritamos por sossego na alma
nos dias de chuva,anseamos por companhia
e nos segundos de prazer,
queremos que o relógio estanque ...

nada nos é completamente agradável !

e como refazer o caminho se no que ainda nos resta não nos lançamos por inteiro ...

pra quê querer mais, se não queimamos o todo?

mesmo assim,
incerto
vacilante
medíocre
eufórico

ponho um sidra pra gelar e espero sorrindo as luzes do novo ciclo !

Adiante !

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

es-correndo ...

Persisto noutra sintonia
resisto aos calores deste verão
renuncio a ternura gratuita

Voltado aos poucos minutos
reluto, insisto e renovo

novas possibilidades pavimentam os objetivos

sereno e forte serão os dias que despontam

precisas e doces, as palvras

sinceros e imensos, os amores !

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Na medida ...

Eu poderei renunciar as dores
os pesares eventuais
as paixões descabidas
os tremores da saudade
o sorriso do reencontro
sim , eu poderei

no entanto a ação me soará covarde,
mínima,
indigna !

Adiante, respirando mais fundo
vejo novas possibilidades
e tal qual mensagem d'um anjo
uma canção do Chico me surge
e revela pronde vamos ...

"Não chore ainda não
Que eu tenho um violão
E nós vamos cantar
Felicidade aqui
Pode passar e ouvir
E se ela for de samba
Há de querer ficar

Seu padre, toca o sino
Que é pra todo mundo saber
Que a noite é criança
Que o samba é menino
Que a dor é tão velha
Que pode morrer
Olê olê olê olá
Tem samba de sobra
Quem sabe sambar
Que entre na roda
Que mostre o gingado
Mas muito cuidado
Não vale chorar

Não chore ainda não
Que eu tenho uma razão
Pra você não chorar
Amiga me perdoa
Se eu insisto à toa
Mas a vida é boa
Para quem cantar

Meu pinho, toca forte
Que é pra todo mundo acordar
Não fale da vida
Nem fale da morte
Tem dó da menina
Não deixa chorar
Olê olê olê olá
Tem samba de sobra
Quem sabe sambar
Que entre na roda
Que mostre o gingado
Mas muito cuidado
Não vale chorar

Não chore ainda não
Que eu tenho a impressão
Que o samba vem aí
E um samba tão imenso
Que eu às vezes penso
Que o próprio tempo
Vai parar pra ouvir

Luar, espere um pouco
Que é pro meu samba poder chegar
Eu sei que o violão
Está fraco, está rouco
Mas a minha voz
Não cansou de chamar
Olê olê olê olá
Tem samba de sobra
Ninguém quer sambar
Não há mais quem cante
Nem há mais lugar
O sol chegou antes
Do samba chegar
Quem passa nem liga
Já vai trabalhar
E você, minha amiga
Já pode chorar"

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Gratuitamente

Lentes fora,
só resta a tua retina
paraliso !
Há o empenho em lê-las ...

Decifrar o que há no teu olhar me conecta , de pronto, ao teu sorriso
a tua graça
ao teu humor

O trabalho se revela tão doce quanto os teus sabores
firmes como o teu abraço
leves tal qual o seu toque

Por fim, revelam tamanha lindeza

Um ímpeto liberto
necessário ao mundo
enérgico
incomum
belo ... livre!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Pra embalar esta sexta-feira !




Deleitemo-nos !

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

vetor do amor

Nem seja pela canção, ela sozinha não teria esse poder ... no entanto, na intenção de se refazer e sendo
uma melodia bem engembrada nuns versos ricos ... isso me sacoleja!

Tem sido assim desde que "Estrela" me arrebatou ... uma batida rústica,
uma catira deliciosamente sincopada num canto de esperança e paixão.

Assim foi todo aquele espetáculo ... desde o nome tudo ali me pareceia "infinitivamente pessoal"
do número de abertura ao single de um amor da adolescência, passando por melodias que calçaram meus passos noutros grandes momentos .

Confesso-me absolutamente eletrizado por cada acorde ouvido naquela sala ... as palmas acompanhavam
a doce tormenta a qual me lançava ... e ali me devotei silenciosamente

Cada música compunha um rosário de esperança
cada pausa um mistério revelado
cada sorriso uma oração ao presente

Assim vi o quanto o amor vale e valerá a pena, e quanto a festa é tão necessária e
imprescindível ...

Agora me confesso maior que a dor ...

Vejo-me tão somente um vetor do amor!


terça-feira, 17 de novembro de 2009

Vestibular

Paulo Roberto Parreiras
desapareceu de casa.
Trajava calças cinza e camisa branca
e tinha dezesseis anos.
Parecia com o teu filho, teu irmão,
teu sobrinho, parecia
com o filho do vizinho
mas não era. Era Paulo
Roberto Parreiras
que não passou no vestibular.

Recebeu a notícia quinta-feira à tarde,
ficou tarde
e sumiu.
De vergonha? de raiva?
Paulo Roberto estudou
dura duramente
durante os últimos meses.
Deixou de lado os discos,
o cinema,
até a namoradinha ficou dias sem vê-lo.
Nem soube do carnaval.
Se ele fez bem ou mal
não sei: queria
passar no vestibular.
Não passou. Não basta
estudar?

Paulo Roberto Parreiras
a quem nunca vi mais gordo,
onde quer que você esteja
fique certo
de que estamos de seu lado.
Sei que isso é muito pouco
Para quem estudou tanto
e não foi classificado (pois não há mais
excedentes), mas
é o que lhe posso oferecer: minha palavra
de amigo
desconhecido.
Nesta mesma quinta-feira
Em Nova York morreu
um menino de treze anos que tomava entorpecentes.
Em S. Paulo, outro garoto
foi preso roubando um carro.
ou surgem como cometas ardendo em sangue, nestas noites,
nestas tardes,
nestes dias amargos.

Não sei pra onde você foi
nem o que pretende fazer
bem posso dizer que volte
para casa,
estude (mais?) e tente outra vez.
Não tenho nenhum poder,
nada posso assegurar.
Tudo que posso dizer-lhe
é que a gente não foge
da vida,
é que não adianta fugir.
Nem adianta endoidar.
é que você tem o direito de estudar.
É justa a sua revolta:
seu outro vestibular.
Vestibular - Ferreira Gullar

domingo, 15 de novembro de 2009

República

15 de novembro de 1989, Paulista - PE

A República Federativa do Brasil completava 100 anos e era a primeira vez que uma geração de brasileiros escolheria o seu Presidente, depois de 29 anos sem eleiçoes presidenciais.

Uma criança de quatro anos mal sente o fervilhão pelo qual o País se agita ... mas eu não perdia um único dia do programa eleitoral gratuito ... na minha terra o povo gosta de votar e na minha casa ... nem se fala !

Estrelas vermelhas no peito, almoço posto , nos preparávamos praquele momento único ... depois dali sairíamos de um Bairro longínquo para o centro da Capital a fim de quebrar o gelo imposto pela insensatez ...

A chegada ao centro da Cidade foi grandiosa ... bandeiras, papéis coloridos no chão ... gente sorrindo ... uma verdadeira festa ... lembro que minha mãe vestia jeans e uma camisa branca ... ambos estávamos com um barbudo pintado na camiseta ... e ali na 115ª sessão da 4ª zona eleitoral do Recife ela entregou seus documentos, pegou a cédula e fomos pra cabine ...

Incrivelmente, minha mãe me pergunta ... "Em quem a gente vai votar?!"

Eu respondi com a mesma alegria que repeti no meu primeiro voto ... no Lula !

E desde então política pra mim nunca foi a mesma coisa ...

Voltamos felizes pra casa, repetimos o ritual no segundo turno ... mas deu no que deu né !



sábado, 14 de novembro de 2009

aos verdadeiros !

Eu me rendo ao espetáculo da vida!

com as mãos trêmulas escolho palavras pra dedicar de todo o coração uma longa vida ao afeto que exercitam ... é com pureza d'alma que ofereço a minha alegria à nova história que desponta

desejo com toda fé que os dias sejam verdadeiros e imensos

que a ternura prevaleça diante das discordâncias
que a saúde encha de vigor os abraços
que os beijos adocem as canções
que os passos caminhem indelevelmente

Prossigam fortes, belos, vivos e únicos!

Que a plenitude esteja convosco!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Recordar é viver ...

Uso o mesmo caderno pra gritar meus desaforos há mais de dois anos. Inicialmente queria fazê-lo de diário e assim por 3 dias me empenhei nesta missão ... não tive o comprometimento esperado. Ainda assim, não o subutilizei. Ele passara a acolher um verso, uma letra de música e até mesmo o projeto de um romance regional.

Ontem, ao folheá-lo, lendo textos da época de sua chegada me assustei com tamanha beleza ali revelada ...

As emoções penduradas por lá resultaram em situações memoráveis e indeléveis ... reafirmando a máxima de que sendo doce ou amargo ... "tudo passa !'

Ao terminar as leituras, molhei as retinas, respirei fundo e com sorriso de criança fui dormir!

As horas desde então foram salvas pelas pautas do caderno.

Adiante !!

sábado, 7 de novembro de 2009

pão pão queijo queijo

nada
nem pensar
a estética é tua
não cansa
é você

excessivo
descomedido
expansivo
exagerado
é você !

a tua natureza
o teu humor
a tua luz

acorda!
teu caminho quer você junto ...

com lágrima
com tesão
sem emoção
apático

com palavra
com metáfora
com eufemismos baratos
com despretenções pretenciosas ...

incoerente
inseguro
impertinente
exagerado

ele quer você

do jeito que for
a hora que for
com o humor que for !

Sobre a exclusão

Por alguns dias (nove pra ser mais exato) excluí o blogue. O fiz, motivado por uma ira infantil ... um descontentamento sem razão que por ora me abalava. Assim, querendo dar um "choque de gestão" nos dias achei por bem mudar uma série de coisas e o blogue foi a primeira, por trazer consigo toda a minha fraqueza, a minha ironia e até mesmo os bons predicados e um razoável trato com as palavras ...

Pois bem, decididamente excluí, fiz um back-up, coração apertado, cabeça a mil ...
disposta a envergar uma nova vida ... pura balela !

Mais uma vez sou convencido de que amores, por mais que nos toquem e nos façam sonhar, são muito pouco diante do milagre da vida ... nada referente à concepção ou o funcionamento de um sistema fisiológico qualquer, mas da nossa fantástica capacidade de se adaptar à realidade e forjar tantas outras dado "o balanço da maré".

Não caberá, em hipótese alguma elegê-los(os amores) como novo centro gravitacional da vida e neles orbitarem nossos dias, sorrisos e canções ... a hora, identifico, prescinda morderadamente de solitude ...

Todavia, confesso que a gente só fica assim até a página dois ... quando o novo amor chegar, caem por terra todas as teorias, baboseiras e lamentos que povoam um coração em recuperação.

"Quando um coração que está cansado de sofrer
Encontra um coração também cansado de sofrer
É tempo de se pensar,
Que o amor pode de repente chegar

Quando existe alguém que tem saudade de outro alguém
E esse outro alguém não entender

Deixe esse novo amor chegar,
Mesmo que depois seja imprescindível chorar

Que tolo fui eu que em vão tentei raciocinar
Nas coisas do amor que ninguém pode explicar

Vem nós dois vamos tentar,
Só um novo amor pode a saudade apagar"
Caminhos Cruzados - Tom Jobim e Newton Mendonça

quebrando

saudades gastas
conversas encerradas
retratos limpos
casa arrumada
visita recebida
vontades contestadas
saudade re-aquecida

A vida grita pelo hoje
o movimento ensaia o presente
a solitute pavimenta os dias

o amor, indelével ... nem se abala!
a realidade, torce, aprimora e encaminha

O sossego se veste
a cançao eternece
o samba padece
e o soriso me aquece!

Indefinidamente o resto da tarde me joga pra frente!

percebo que estou apenas começando ...

terça-feira, 20 de outubro de 2009

pelas raras flores

Engraçado ...
Tudo segue, o tempo passa
E tem coisas que por mais que relutemos, permanecem ...

Diante delas poderia me opor, sofrer, arrepender
Distante delas não garanto que estaria sorrindo ou aliviado
Enfrentando-as, aprimoro, renovo, me aqueço e decido

Daí, me restará a tentativa, ainda vã, de olhar para frente
Colher uma outra emoção, qualquer uma
e refazer o caminho

Preciso entender as marcas que o caminho de agora imprime
Lê-las com a devida importância
E até Guardá-las, se necessário!

Chegou a hora de considerar a ferida cicatrizada
E ostentá-la tal qual uma medalha de guerra
Carregá-la sorrindo e orgulhoso !

Lutemos noutras frentes, a batalha findou, todos ganharam!
Isso mesmo ... todos ganharam!

A marca que carrego no peito fora gravada em todos
é tão igual e bela quanto a que enfeita o meu fardão

Portanto, vigiemos atentamente os dias que nascerão
Só eles trarão o vigor necessário à nova luta ...

Só eles farão a disforme cicatriz em rara flor !

Aos dias ... Avante!

sábado, 17 de outubro de 2009

É bem por aí ...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

O empenho pelo incomum

A retina brilha com os novos olhares
Retomando o caminho já esquecido, avanço
O peito cuida de separar o que dói e o que faz doer
a vida se revela bem maior diante da nova era

Naturalmente lançado ao novo viver
a caminhada, mais uma vez, se revelou árida
a coragem, mais do que nunca, persiste e pulsa
o amor, indiscutivelmente, canta e sorri

Posto isso, só cabe o incomum
decidindo quebrar os cristais da aflição
fundindo as traves do silêncio
esgotando as lágrimas no escuro
esquecendo o que é o tormento

Sentindo o renovar
vejo dentro em mim um novo humor
para que sem vacilar
eu possa me refazer sem queimar
prosseguir sem voltar
ouvir sem calar
e existir sem parar

domingo, 4 de outubro de 2009

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Diagnóstico

é despretenciosa a atenção
voluntário o afeto
firme o olhar
clara a intenção

resumido à esperança
conduzo o dia
derramo o sorriso
supero os pesares

sonego o ciúme
vigio a alegria
sitio a dúvida

perco as palavras

a aparência:
sorumbática,
trêmula,
titubeante

o ânimo:
renovado,
disposto,
vibrante

os dias:
únicos,
doces,
novos !

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Movimento

Acordava com o teu cheiro
os acordes do nosso caminhar embalavam os dias
no entanto, hoje "bem pouco, quase nada" permanece

Agora, diante do novo começo
largo um sorriso com um encanto qualquer
um que balance
que estenda os dias
estique a tarde
amplie as noites

Não há dor, realmente nada disso
E o que há ?!
existe um aperto hora ou outra
uma lembrança salteada
um sorriso choroso
uma lágrima perdida

E aí?!
vivamos o que resta
queimemos até o fim
não soneguemos nada!

E o novo ?!
vem com cada amanhecer
se desenhando
ainda não vejo rosto, humor
nem ouço vozes
mas está lá
as tintas correm para desenhá-lo
e não há pressa
apenas o desejo de vê-las noutra história
elas urgem colorir outra

E o medo?!
A fase não cabe tolice, receio e cautela
A hora é de puro ímpeto
da excessiva ousadia
e necessária teimosia

A hora carece de movimento!

domingo, 30 de agosto de 2009

O que falta?!

Me dá teu sonho ...
é, aquilo que te inquieta
te faz sonhar com a felicidade
enche o peito de ar
faz tudo se acender
te faz mais vivo

Deixa que eu o veja
leve ele pro alto
"imensamente alto"
e guarde lá

- pra quê?!
ah, quero de tu vejas o quanto ele é lindo
o quanto tem de verdade
o quanto tem de certeza
o quanto é possível !

aquieta o coração
os sonhos tem que ficar no alto
e chegar neles
é ser bem no hoje
no hoje de amanhã
e no de depois, depois, depois ...

domingo, 23 de agosto de 2009

Como é que faz ?!




Tatuagem (Chico Buarque / Ruy Guerra)
Esse Cara(Caetano Veloso)

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Hiato

sempre imaginava o que eu escreveria em um dia como hoje
e eis que chegou e sinceramente não sei o que discorrer
sou convidado a sorrir diante da beleza da caminhada
a chorar por tudo que valeu a pena
por tudo ter dado certo
por ter tido todas as alegrias que a jornada pode proporcionar
por ver alargada a vida
por se saber mais forte
por notar o quão gratificante é (nunca terá "sido")!

os olhos se derramam
o respirar é duro
a voz embarga
mas é intocável o tesouro construído
indeléveis os desenhos gravados
únicas as canções

precisamos caminhar



"(...)Vai teu caminho
que eu vou te seguindo no pensamento
e aqui me deixo rente quando voltares,
pela lua cheia
Para os braços sem fim do teu amigo
Vai tua vida, pássaro contente
Vai tua vida que estarei contigo".

Monólogo de Orfeu - VM

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Ensaio tolo

Vendo a poeira baixar eu começo a verificar o quanto me corto ...
não é no sentido de deflorar a pele com uma lámina qualquer,
mas estritamente no sangue derramado pelo pulsar atravessado do peito.

Me pergunto a real necessidade de amar
e quão intenso deve ser o exercício do afeto.

Na realidade eu não encontro respostas para as minhas dúvidas ...
Vivendo e amando as acirro cada vez mais, dada a disposição com que me lanço.

Vou rememorar sorrisos e dores passadas pra tentar observar uma linha lógica,
um padrão sabe ... algo que eu possa isolar e dizer : - é por isso aqui !!

Mas não há nada disso ...

Teimo em buscar, agora no presente, o que motiva este exercício ... nada !

Paro diante de pautas, teclas, dores e saudade pra tentar juntar tudo n'algo que responda ...

E eis que vem por ali o cerne da questão ... tudo está no exercício básico da vida, naquilo que
precisamos fazer para manter o nosso existir "em pé" ... amo por querer viver e só assim me é permitido acreditar num legado, numa herança, num futuro ... no presente.

Não existem fórmulas mágicas, tempos específicos, modelos ideais ...

Precisamos acordar e deixar rolar ... a batucada da vida cadencia(ou justifica) o amor !

"abre os teus braços meu irmão, deixa cair
pra quê somar, se a gente pode dividir (...)"

Como Dizia o Poeta - VM

pesado e indigesto

não aguento mais discorrer sobre o que incomoda
é tão inútil distribuir palavras pra ilustrar as horas
não ajuda em nada ... só acentua o incômodo presente
tenho sinceramente me empenhado em sorrir
abrir os beiços e mostrar decididamente os dentes !

o que virá daí é coisa sem espera
cabe ao empenho do agora

seria bem mais simples não ter o que sentir
seria muito mais pesado não ter com o que esperar
seria terrível não ter nada

enquanto isso ... paciência !

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Agora !

por tudo eu queria mais
sabe aquela coisa que nos arrebata
nos ensina a sonhar
nos envolve
descola a gente do comum
do real

começamos a ver outros dias
outros anos
e sem querer nos assustamos ...

apagam os dias além
anos além
amores além ...

nos tocam oportunidades
a realidade
os limites

o que era tudo , se amiúda
o que valia tudo, vira dúvida
o que ama tudo, é recusa

ferido ao querer, recomeço
disposto a esquecer o além
fincar no agora
e retornar ...


"Ao som desse bolero
Vida, vamo nós
E não estamos sós
Veja meu bem
A orquestra nos espera
Por favor!
Mais uma vez, recomeçar (...)"

Gonzaquinha - Começaria Tudo Outra Vez

domingo, 16 de agosto de 2009

Numa cadência ...

é assim ... um pedaço de cada vez
uma lágrima se necessária
um beijo se pertinente

nada precisa ser antecipado
cada pedaço tem sua pisada
seu caminho, ritmo e cor

a vida é agora companheiro ...

cuida dele bem direitinho
numa cadência ... com sorrisos
e saudade, se couber

tempera o que falta com paciência
e espera ...

o céu continuará azul ...
o dia vai chegar ...
e é só levar tudo com sossego

- " não se avexe !"

assim vou amanhecendo
e acreditando ...

sem perder o tino e o tom ...

sábado, 15 de agosto de 2009

Renascerá

o respirar é mais leve
trago comigo o alívio
a chama da esperança
ainda me parece ser quase nada diante do que mereça
mas é um germinar de brotos fortes

as sementes que no exercício da paixão nós jogamos
acordam pra quebrar num tempo despretencioso
os olhares ainda procuram um alento
mas esse ainda não frutifica o querer mútuo

há pesar,
mas ele não amarga tanto quanto sempre
é menos ácido
no entanto, alimenta
enche a barriga com brutal falta de fome

e o que fazer ?!
purgar cada parte em silêncio ?!
gritar as dores em agonia ?!
esperar chegar o dia de se amar?!

talvez tudo, talvez nada ...
tenho diante de mim só a escolha
e esta não impedirá
a natureza das sementes
o crescimento dos brotos
e o esfriar da angústia

portanto, haja o que houver,
viva o que viver ...
o que de bom se fez, de bom virá
o que de amor se fez, com amor virá
o que de paixão se fez, renascerá !

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Tirando a poeira (ou o atraso ?!)

Nada pessoal sabe ... faz tempo que não venho aqui muito menos por não querer registrar nenhuma
impressão do que propriamente falta de vontade de escrever algo ...

Desde a última postagem um tanto de emoções passaram por debaixo da ponte e aprimoraram o
viver absurdamente, que tenho até preguiça de escrevê-las ... aqui serão só palavras tê-las vivido foi bem mais interessante.

bem ... existem algumas limitações técnicas ... mas dentro em breve serão normalizadas para re-utilização do espaço ...

Ao trabalho!!

sábado, 17 de janeiro de 2009

PRÊMIO DARDOS (que beleza !!!)


Hoje pra minha grata surpresa ... já ia deitas mas deu vontade de postar e vi que havia sido indiocado pra esse prêmio ... eis a descrição oficial :

"Com o Prêmio Dardos se reconhece os valores que cada blogueiro mostra cada dia em seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras."

E possui três regras:
1- aceitar exibir a imagem.
2- Linkar o blog do qual recebeu o prêmio.
3- Escolher 15 blogs para entregar o Prêmio Dardos


Como já passa da 1 da madrugada não vou linkar todos os blogs hj ... começando os trabalhos indico o do amigo que me agraciou com a presente comenda ...

O Cleytudo é um blog que tem talento, humor, licor de chocolate e criatividade pulsante ... um cabra talhado pela arte que tem graça de sobra pra pingar crônicas do cotidiano que merecem ser lidas antes, durante (principalmente) e depois do expediente.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Feliz ...



Para quem bem viveu o amor
Duas vidas que abrem
Não acabam com a luz
São pequenas estrelas
Que correm no céu
Tragetórias opostas
Sem jamais deixar de se olhar

É um carinho guardado no cofre
De um coração que voou
É um afeto deixado nas veias
De um coração que ficou
É a certeza da eterna presença
Da vida que foi
Da vida que vai
É a saudade da boa
Feliz, cantar

Que foi, foi, foi
Foi bom e pra sempre será
Mais, mais, mais
Maravilhosamente amar

Gonzaguinha - Feliz