sábado, 26 de janeiro de 2008

Começo , meio e fim


A vida tem sons
Que pra gente ouvir
Precisa entender
Que um amor de verdade
É feito canção
Qualquer coisa assim
Que tem seu começo
Seu meio e seu fim
A vida tem sons
Que pra gente ouvir
Precisa aprender
A começar de novo
É como tocar
O mesmo violão
E nele compor
Uma nova canção
Que fale de amor
Que faça chorar
Que toque mais forte
Esse meu coração
Ah! Coração
Se apronta pra começar
Ah! Coração
Esquece esse medo de amar
De novo

domingo, 20 de janeiro de 2008

é bem maior

Pode chegar
Que a festa vai
É começar agora
E é prá chegar quem quiser
Deixe a tristeza prá lá
E traga o seu coração
Sua presença de irmão
Nós precisamos
De você nesse cordão...
Pode chegar
Que a casa é grande
E é toda nossa
Vamos limpar o salão
Para um desfile melhor
Vamos cuidar da harmonia
Da nossa evolução
Da unidade vai nascer
A nova idade
Da unidade vai nascer
A novidade...
E é prá chegar
Sabendo que a gente tem
O sol na mão
E o brilho das pessoas
É bem maiorIrá iluminar nossas manhãs
Vamos levar o samba com união
No pique de uma escola campeã...

Não vamos deixar
Ninguém atrapalhar
A nossa passagem
Não vamos deixar ninguém
Chegar com sacanagem
Vambora que a hora é essa
E vamos ganhar
Não vamos deixar
Uns e outros melar...

Oô eô eá!
E a festa vai apenas
Começar
Oô eô eá!
Não vamos deixar
Ninguém dispensar

O Homem Falou
Luiz Gonzaga Jr.


hummilieseissentaseoitentahoras

casualiade
encanto
intenção
sintonia
ação
abraços
beijos
ternura
afeto
querência
paixão
reciprocidade (ou não)
estabilidade
instabilidade
expectativas
ansiedade
paciência
compreensão
aprendizado
confusão

adiante?!

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

espiralucinante

há coisas em que lanço o olhar e sinto tamanha emoção que talvez traduzí-la em uma palavra ou em poucas linhas apequene-a ...

refletir sobre o propósito da vida, sorvendo-a a cada minuto talvez me ponha numa espiral alucinante e que a bem da verdade terá sido grande feita , avaliando que cada minuto concedido pela natureza para o nosso viver seja envolto da responsabilidade que temos de nos conhecer mais ...

O auto-conhecimento revela absolutamebte aquilo que não queremos na estrada e mesmo assim plantamos sem a noção da feita ... não obstante, a busca por ele pode nos deixar obsseivamente reféns da própria expressão e é nesse momento em que eu reconheço que ainda sou humano e que o que está fora da razão, é passivo da nossa flexibilidade.

- Até parece que viver carece de método ...
- de método não ... mas é necessário que saibamos como desfutar da espiral ...

joguemo-na !

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Abrindo a sidra ...

Feliz ano novo ...

tardiamente o faço, mas é convicto que abro o calendário de postagens nesse ano.

Gostaria de começar por qualquer outra coisa que não cheire a lombo suíno e sidra gelada, mas não tenho como me furtar da beleza que não essas coisas no ideário familiar. confesso que as reminescências das reuniões de família me assolaram nesse ano e me deixaram bem mais intimista nessas festividades.

É impressionante como a gente se entorpece de um espírito novo nas últimas horas do ano, a esperança a qual temos a obrigação de cultivar diariamente, e que pela opção à melancolia atrofiamos, surge vigorosa como se esse fosse o primeiro dia "do resto de nossas vidas" (é um clichê antigo mas eu ainda o curto !). Pois bem, já devo ter dito noutras postagens que o que vivemos todos os dias, entre o acordar e o adormecer, é , invariavelmente, reflexo da nossa ação, tão somente dela ...

então eis a minha grande tarefa ... fazer do ano novo .... novo!